Cultivando

 

 


 

  O cajueiro é uma planta brasileira, amplamente distribuída pelo litoral nordestino. Desde a época do descobrimento, os índios já consumiam o caju como fruta fresca ou bebida fermentada. Pertence à família Anacardiceae, é perene e apresenta crescimento contínuo, podendo atingir até 20m de altura. O pedúnculo (falso fruto) é o que se consome ao natural. De coloração amarela ou vermelha, possui de 180 a 230mg de vitamina C por 100g de suco.


 

  É rico também em cálcio, ferro e fósforo, sendo utilizado para sucos concentrados, doces em massa, compota e desidratados. A amêndoa do caju (fruto verdadeiro), quando torrada, tem alto valor no mercado internacional. Da castanha (amêndoa e casca), extrai-se o fino óleo de amêndoas, de uso cosmético, medicinal e culinário.


 

  Cultivares: Comum (Amarelo, Vermelho ou Mesclado) e Anão Precoce.


 

  Clima e solo: Planta tipicamente tropical. Prefere regiões de alta temperatura e elevadas precipitações. A temperatura média ideal é de 27ºC, com mínimas superiores a 22ºC. É sensível ao frio e a geadas, principalmente quando jovem; plantas adultas apresentam redução de floração/frutificação nessas condições. É favorecido por precipitações anuais de 800 a 1.500mm, distribuídos de 5 a 7 meses, mais uma estação seca para florescimento. O vento é prejudicial; mesmo sendo o principal agente polinizador, quando intenso, causa queda de flores. Os solos mais indicados são os leves, profundos e bem drenados.


 

  Práticas e conservação do solo: plantio em nível. Manter cobertura vegetal rasteira no período chuvoso, sempre roçada. Em declividades superiores a 6%, fazer terraços. Se superiores a 15%, fazer patamares.


 

  Plantio: semeadura direta no início da estação chuvosa. Realizar o desbaste após 60 a 90 dias, deixando-se a muda mais sadia e vigorosa. Quando necessário, o replantio é feito por meio de mudas preparadas em sacos plásticos e de mesma idade das plantas no campo. Para aumentar a uniformidade das plantas, podem-se utilizar mudas enxertadas.


 

  Espaçamento: 7 x 7m para o cajueiro-anão e 10 x 8m para o cajueiro-comum.


 

  Mudas necessárias: 204 por hectare (anão) e 125 por hectare (cajueiro-comum).


 

  Covas: 40 x 40 x 40cm, preparadas 1 mês antes do plantio.


 

  Calagem e adubação: Elevar o índice de saturação por bases a 60%.


 

  Adubação de plantio: aplicar, na cova, 0,5kg de calcário dolomítico, 20 litros de esterco de curral curtido, 80g de P2O5 e 30g de K2O e, cobertura, aos 30 e 60 dias do plantio, 20g de N por planta.


 

  Adubação de frutificação: no 2º, 3º e 4º anos, aplicar 50, 60 e 100g de N; 50 a 70, 60 e 90g de P2O5; 30 a 90, 90 a 120 e 50 a 150g de K2O por planta e por ano, respectivamente, em função da análise de solo. Aplicar todo o fósforo e 1/3 de N e do K2O no início das chuvas; aplicar o restante do N e do K2O em duas parcelas, logo após o inverno e no início da frutificação. Do 5º ano em diante, aplicar 120g de N, 30 a 90g de P2O5, 50 a 150g de K2O por planta e por ano, em função da análise de solo.


 

  Controle de pragas e doenças: broca-das-pontas: deltramethrin e retirada e queima dos galhos afetados; mosca-branca: parathion methyl; lagarta-das-folhas e tripes: piretróide, organofosforado, deltamethrin e antracnose: oxicloreto de cobre e ziram, em pulverizações quinzenais do início da brotação (agosto) a maio; oídio: enxofre.


 

  Poda: poda severa nos ramos, em julho e agosto, para redução do porte da planta, limpeza e arejamento.


 

  Outros tratos culturais: capinas na fase de formação, se houver consorciação de culturas; em pomares adultos, roçada mecânica, seguida de coroamento manual; podas e desbrotas para orientar o crescimento (evitar galhos muito baixos).


 

  Colheita: dezembro a maio, manual. Colher os frutos caídos e retirar as castanhas. Se o caju se destina à industrialização, colher frutos maduros nas próprias plantas.


 

  Produtividade normal: Cajueiro Comum – 900 kg/ha de castanha e 9 t/ha de frutos; Cajueiro Anão – 1.300 kg/ha de castanha e 13 t/ha de frutos, ambos após estabilização da produção; início de produção: 3º ao 5º ano para cajueiro comum e 10 a 18 meses para cajueiro anão precoce.


 

  Culturas intercalares: culturas anuais, até o 5º ano, para o cajueiro comum; preferir leguminosas.


 

  Comercialização: frutos para mercado interno, em gavetas de papelão; polpa congelada e castanha de caju torrada.



 

Fonte: Boletim, IAC, 200, 1998.

Caju 
Anacardium occidentale L.
Características

Curiosidades:

Conheça o Maior Cajueiro do Mundo – Um espetáculo único da natureza no Rio Grande do Norte

  O maior cajueiro do mundo está localizado no Rio Grande do Norte, você sabia?

 Mais especificamente em na Praia de Pirangi do Norte, no município de Parnamirim, a cerca de doze quilômetros ao sul de Natal.

 Um dos maiores atrativos turístico do Rio Grande do Norte, o cajueiro de Pirangi foi plantado em 1888 pelo pescador Luís Inácio de Oliveira, sem nenhuma técnica ou cuidado especial.

 O cajueiro possui aproximadamente 8.500 metros quadrados de copa e foi registrado em 1994 no “Guiness Book – O livro dos recordes” como o maior do mundo.

 Em 1955, o cajueiro que até então tinha apenas 2.000 metros quadrados de área, ficou conhecido nacionalmente pela revista “O Cruzeiro”, que o apelidou de “O Polvo”, pelos seus galhos que seriam semelhantes aos tentáculos do animal marinho.

Por que o cajueiro cresceu tanto?

 É incomum uma árvore ter proporções tão grandes. E o fenômeno foi objeto de análise de diversas pesquisas especializadas.

 A conclusão que se chegou foi que o crescimento do cajueiro de Pirangi se deve a duas anomalias genéticas, que são:
 

  • os galhos crescem para os lados ao invés de para cima, como normalmente ocorre;

  • ao se curvar para o chão, pelo peso, os galhos começam a criar raízes e crescem novamente, de forma semelhante a novos troncos. Por isso, o cajueiro não é tão alto.
     

  Ao visitar o cajueiro, a impressão que se tem é que são várias árvores. Quando na verdade, há apenas duas: a que sofre a anomalia e ocupa aproximadamente 95% da área e outra, que foi plantada antes, mas não possui alteração genética.  Os dois cajueiros estão lado a lado sendo possível observar a diferença.

  Para se ter uma noção, a extensão da copa do cajueiro de Pirangi é maior que um campo de futebol padrão Fifa. E o cajueiro não para de crescer.

  O tamanho do cajueiro equivale a cerca de 70 cajueiros de tamanho normal. É possível ter uma visão total da extensão da árvore, há no próprio cajueiro um mirante que permite uma visão panorâmica da árvore e da Praia de Pirangi do Norte.

  Além do mirante, há ainda passarelas para os turistas caminhares entre os galhos do cajueiro.

Cerca de 2,5 toneladas de cajus são produzidas pelo cajueiro no período de safra (entre setembro e dezembro). Neste período, os visitantes podem saborear a fruta enquanto passeiam pela extensão da árvore.

A polêmica poda do cajueiro

  A poda do cajueiro é um motivo de discussão entre os moradores de Pirangi.

  Há aqueles que são contra, pois defendem que com a poda, a árvore, que é única, pode se comportar de forma inesperada e morrer ou até mesmo crescer mais.

  Outros defendem que a árvore seja podada, pois o crescimento dos galhos avança para as residências próximas ao cajueiro e para a Rota do Sol, um dos principais acessos ao litoral sul do Rio Grande do Norte, o que prejudica a fluidez do trânsito.

  Na Rota do Sol está localizada a Barreira do Inferno, uma Base Aeronáutica que foi o primeiro centro de lançamento de foguetes espaciais da América do Norte.

A base foi inaugurada em 1965, e, atualmente, é um centro de pesquisas aeroespaciais. No local, é oferecido visitas guiadas aos turistas.

Em 2012, foi inaugurada uma barreira para impedir que os galhos avancem para a estrada e, ao invés disso, fiquem suspensos.

Galeria de Fotos

Vídeos Relacionados

Cajueiro Anão Precoce BRS226 - um clone desenvolvido pela Embrapa

Caju 

Anacardium occidentale L.

  Benefícios do Caju para apoiar o sistema imunológico: Muitas pessoas erram ao adotarem dietas sem o acompanhamento médico, e não sabem que a alimentação não deve ser sacrificada completamente. É importante ter cuidado com a permanência dos nutrientes necessários para a saúde, visando apenas à redução de calorias e melhor comportamento do metabolismo, por isso, o Zinco contido no Caju pode apoiar o fortalecimento do sistema imunológico, evitando consequências durante a transição de costumes alimentares. Ao buscar acompanhamento médico, o Caju poderá ser apontado como uma fonte importante de Zinco, a qual evitará consequências ao seu bem estar, deixando você mais perto do corpo que deseja.

  Benefícios do Caju em Evitar os Cálculos Biliares: Os cálculos biliares é a geração de pedra na bexiga devido à expansão da formação de bílis. Os cálculos biliares são em grande parte composta de colesterol. Estudos científicos têm encontrado que o consumo de Caju pode reduzir as chances de pedras em até 25%.

  Benefícios do Caju para Anemia: O Caju é uma fonte de ferro, que é vital para o transporte de oxigênio ao redor do corpo e auxilia no funcionamento das enzimas e do sistema imunológico. A deficiência de ferro na dieta pode levar à fadiga do corpo, anemia e um aumento da susceptibilidade a infecções.

  Benefícios do Caju para Ossos e a Boca: O Caju também fornece fósforo, que é essencial para o desenvolvimento saudável dos dentes e ossos. Fósforo também ajuda na síntese de proteínas, a absorção de carboidratos e gorduras e para a manutenção da saúde celular.

Os Benefícios do Caju Para Saúde 

 

 

  O Caju é um fruto nativo do Brasil e foi levado pelos portugueses do Brasil para Ásia e África. No Brasil, o cajueiro é encontrado quase em todos os estados brasileiros, principalmente nos estados do Nordeste, devido as condições climáticas. O estado do Ceará é o maior produtor de castanha de caju.

  O Caju é muito nutritivo, é uma excelente fonte de proteínas e muitos minerais essenciais, incluindo o cobre, cálcio, magnésio, ferro, fósforo, potássio, zinco e De sódio que também está presente em uma quantidade muito pequena. O Caju também contém vitaminas como a vitamina CB1 (tiamina)B2 (riboflavina), B3 (niacina), B-6, ácido fólico, E (alfa-tocoferol) e vitamina K (filoquinona). O Caju é uma fonte de ácido oleico e ainda fornece uma boa quantidade de gordura (boas).

 

 

Então, Confira agora os benefícios do Caju:

   Para o Diabetes: O Caju tem uma quantidade muito baixa de açúcar e ainda sem colesterol prejudicial, o que faz o Caju se tornar seguro para os diabéticos! Ele ainda ajuda na redução do risco do tipo 2 diabetes .

   Prevenção de o Câncer: O Caju é uma excelente fonte de flavonoides que são um dos melhores combatentes do câncer. Ele contém um flavonoide chamado proantocianidinas, que inibe o desenvolvimento do tumor e previne o crescimento de células cancerosas.

   Para a Pele: Os efeitos positivos desse mineral contido no Caju também pode se estender à produção de melanina. Importante para a saúde da pele, o Cobre pode favorecer à saúde dos fios de cabelopele, e até unha. Após algumas pesquisas, recomendou-se o consumo médio de ¼ de xícara da fruta, assim, o Cobre contido nela pode ajudar na manutenção de uma pele brilhante e saudável, junto a fios sedosos e menos quebradiços.

   Para Melhorar as Atividades Sexuais: Após algumas pesquisas, o Caju foi apontado como funcional para melhorar a função sexual. O suco de Caju pode melhorar os níveis energéticos, o que promoverá o bom desempenho físico, tanto em homens quanto em mulheres, fortalecendo o sistema cardiovascular, dessa forma, elevando a qualidade das relações sexuais.

   Para Perda de Peso: Escolher alimentos com poucas calorias e contribuições significativas para a perda de peso é uma tarefa um tanto quanto difícil. Evitando prejudicar os seus benefícios, o Caju contém poucas calorias, e ainda é uma fruta com baixo percentual de gorduras, e estas são ácidos gordos insaturados, semelhantes à gordura contida no azeite, a qual é tida como funcional para o metabolismo. O Caju pode ser uma excelente opção para você comer nas refeições intermediarias e lanches fora de hora. Ele garantirá vitaminas ao seu corpo e não prejudicará com o aumento de medidas. As fibras presentes na fruta também possibilitam o melhor funcionamento da flora intestinal, o que reduz os desconfortos abdominais e inchaços, promovendo a saúde se seu intestino.