Biologando !

Introdução básica ao Reino Plantae

   As plantas são seres pluricelulares e eucariontes. Nesses aspectos elas são semelhantes aos animais e a muitos tipos de fungos; entretanto, têm uma característica que as distingue desses seres - são autotróficas. Seres autotróficos são aqueles que produzem o próprio alimento pelo processo da fotossíntese.

  Utilizando a luz, ou seja, a energia luminosa, as plantas produzem a glicose, matéria orgânica formada a partir da água e do gás carbônico que obtêm do alimento, e liberam o gás oxigênio.

  As plantas, juntamente com outros seres fotossintetizantes, são produtoras de matéria orgânica que nutre a maioria dos seres vivos da Terra, atuando na base das cadeias alimentares. Ao fornecer o gás oxigênio ao ambiente, as plantas também contribuem para a manutenção da vida dos seres que, assim como elas próprias, utilizam esse gás na respiração.  

classificaçã evolutiva das plantas

                                  Vamos ver agora como as plantas podem ser classificadas

                    

Grupos de Plantas

  

Introdução

 

 Embora todas pertençam ao Reino Plantae, as plantas podem ser divididas em grupos e subgrupos de acordo com determinadas características (específicas) que diferenciam umas das outras. De acordo com a visibilidade das estruturas produtoras de gametas, as plantas podem ser divididas em: criptógamas e fanerógamas.

 

Plantas Criptógamas

 

 O nome tem origem no grego, sendo que cripto significa escondido e gamae corresponde a gameta.

 

 A principal característica destas plantas é o fato de possuírem sistema de produção de gametas pouco visível.

 

Exemplos: samambaias, avencas, hepáticas e musgos.

 

Subgrupos de Criptógamas:

 

  ► Briófitas: vegetais que não têm vasos especializados para a condução da seiva. São plantas de tamanho pequeno.

 

  ► Pteridófitas: vegetais que possuem vasos para o transporte da seiva. São plantas de tamanho grande. São também chamadas de plantas vasculares.

 

Plantas Fanerógamas

 

  O nome também tem origem grega, sendo que fanero significa visível e gamae corresponde, como vimos anteriormente, a gametas.

 

  As plantas fanerógamas têm seus sistemas produtores de gametas bem visíveis. São conhecidas também como plantas espermatófitas, pois produzem sementes.

 

Exemplos: pinheiros, cicas, roseiras, mangueiras, laranjeira, limoeiro, macieira e coqueiro.

 

Subgrupos de Fanerógamas:

 

   Gimnospermas: são os vegetais que não produzem frutos, embora possuam sementes.

 

  Angiospermas: as sementes destas plantas ficam alocadas dentro de frutos. Estes frutos são originários do desenvolvimento do ovário das flores.

                                                            Angiospermas

 

  Atualmente são conhecidas cerca de 350 mil espécies de plantas - desse total, mais de 250 mil são angiospermas.

 A palavra angiosperma vem do grego angeios, que significa 'bolsa', e sperma, 'semente'. Essas plantas representam o grupo mais variado em número de espécies entre os componentes do reino Plantae ou Metaphyta.

 As angiospermas produzem raiz, caule, folha, flor, semente e fruto. Considerando essas estruturas, perceba que, em relação às gimnospermas, as angiospermas apresentam duas "novidades": as flores e os frutos.

Conceito sobre Fruticultura

   A fruticultura pode ser conceituada como sendo o conjunto de técnicas e práticas aplicadas adequadamente com o objetivo de explorar plantas que produzam frutas comestíveis.  Além do conceito de fruticultura, o conceito de fruta e fruto também é variável, fruta é a designação comum às frutas, pseudofrutos e infrutescências comestíveis, com sabor adocicado. Já o fruto é o órgão gerado pelos vegetais floríferos, e que conduz a semente, portanto resulta do desenvolvimento do ovário depois da fecundação. Para facilitar a leitura, no decorrer de todos os capítulos, será adotado o termo fruta.

  O êxito no cultivo de frutíferas, tanto doméstico quanto comercial, depende do conhecimento de vários fatores agronômicos. O tipo de clima e solo no local do pomar, a escolha da cultivar (variedade), a origem da muda, a nutrição e manejo das plantas e os tratos fitossanitários são alguns deles.

   A aplicação adequada das recomendações fitotécnicas, resulta em altas produções de frutas de superior qualidade.

   A estrutura de uma planta frutífera é composta pelo sistema radicular e pela parte aérea. Na parte aérea encontramos o tronco, ramos, gemas, folhas, flores e frutas e, no sistema radicular, as raízes e pêlos absorventes que garantem a sustentação e a nutrição mineral das plantas.                                                       

  Sistema Radicular 

   Normalmente, os tipos mais comuns de raízes, encontrados em plantas frutíferas, são o pivotante, o fasciculado e o fibroso. As plantas propagadas por sementes apresentam raízes pivotantes, ao passo que as raízes das plantas propagadas por via vegetativa mostram-se fasciculadas e superficiais.

                              

As funções do sistema radicular são: 
 



  ► Fixação da planta no solo;

  ► Absorção de água, nutrientes e também acumulação de substâncias de reserva;

  ► Respiração e crescimento em comprimento, diâmetro e ramificação.

  A distribuição do sistema radicular da planta depende da espécie, tipo de solo, umidade, nutrição, porta-enxerto, densidade de plantio, entre outros fatores.

  Em plantas isoladas, a superfície projetada, medida através do raio, pode atingir de 1,5 a 7 vezes ao raio médio da projeção da copa. Em pomares onde existe a proximidade de outras plantas, esta condição é completamente modificada.     Normalmente o sistema radicular ativo se localiza numa profundidade de até 40cm.

 

                                                  

Parte Aérea 

  O tronco e os ramos formam o esqueleto que sustenta as folhas, órgãos de frutificação, gemas e frutas.

  Em plantas frutíferas lenhosas, as gemas se constituem no órgão vegetativo por excelência, pois delas depende todo o crescimento e o desenvolvimento das frutas.

 De acordo com a sua posição na planta, as gemas podem ser classificadas em terminais, axilares, secundárias (segurança) e basais. Já pela sua estrutura, elas podem ser classificadas em vegetativas, floríferas e mistas.

  O processo de formação das gemas inicia com a brotação e, de forma evolutiva  durante o período vegetativo, parte delas permanecem vegetativas, enquanto as demais se diferenciam em gemas floríferas.

Classificação das plantas Frutíferas: 

   A maioria dos frutos é o resultado do desenvolvimento do ovário da flor após a fecundação, originando, assim, as sementes. Algumas frutas, porém, resultam do amadurecimento do ovário mesmo sem fecundação, produzindo frutos partenocárpicos, como é o caso da banana, do abacaxi e de algumas cultivares de uvas e citros.

 

 


 

Quanto ao clima:

 

  ► Frutíferas de clima temperado - as principais características apresentadas por essas plantas são:

  • Hábito caducifólio;

  • Um único surto de crescimento;

  • Necessidade de frio com temperaturas £ 7,2°C, para superação do estádio de repouso vegetativo;

  • Maior resistência às baixas temperaturas;

  • Necessidade de temperatura média anual entre 5 e 15°C para crescimento e desenvolvimento.
     

  As principais plantas frutíferas de clima temperado são pessegueiro, macieira, pereira, videira, ameixeira, marmeleiro, quivi, cerejeira, nogueira-pecan, entre outras.

 

 ► Frutíferas de clima subtropical - as principais características apresentadas por essas plantas são:

  • Nem sempre apresentam hábito caducifólio;

  • Mais de um surto de crescimento;

  • Menor resistência a baixas temperaturas;

  • Pouca necessidade de frio no período de inverno;

  • Necessidade de temperatura média anual de 15 a 22°C.
     

  As principais frutíferas de clima subtropical são as plantas cítricas, abacateiro, caqui, jabuticaba, nespereira, entre outras.

 

 ► Frutíferas de clima tropical - as principais características apresentadas por essas plantas são:

  • Podem apresentar mais do que um surto de crescimento;

  • Apresentam folhas persistentes;

  • Não toleram temperaturas baixas;

  • Necessidade de temperatura média anual entre 22 e 30°C.
     

  As principais frutíferas de clima tropical são bananeira, cajueiro, abacaxizeiro, mamoeiro, mangueira, maracujazeiro, coqueiro da Bahia, entre outras.

Quanto ao hábito vegetativo:

 ►  Arbóreas - apresentam grande porte e tronco lenhoso. Exemplos: mangueira, abacateiro, nespereira, jaqueira e nogueira-pecan.

   Arbustivas - apresentam porte médio e caule menos resistentes. Exemplos: figueira, amoreira, mamoeiro e romãzeira.

  ►  Trepadeiras - apresentam caule sarmentoso e provido de gavinhas. Exemplos: videira, maracujazeiro e quiwi.

  Herbáceas - apresentam porte baixo, rasteiras ou com pseudo-caules. Exemplos: bananeira, morangueiro e abacaxizeiro.

Quanto ao tipo de fruta:

 ► Frutas com sementes - maçã e pera.

 ► Frutas com caroços - pêssego e ameixa.

 ► Frutas com sementes carnosas - romã.

 ► Frutas em bagas - uva, groselha e quivi.

 ► Frutas em espirídio - citros.

 ► Frutas agregadas - framboesa.

 ► Frutas compostas - figo.

 ► Frutas secas – noz pecan e pistáchi.

 ► Frutas tropicais e subtropicais - banana e abacaxi.

 ► Frutas nativas comestíveis - araçá, pitanga, araticum.