Vamos ver  agora algumas frutíferas que vão bem em Vasos:

Pitangueira - Própria para clima quente e úmido, a pitangueira fica bem em vaso, precisa de sol pleno e ser regada constantemente. Sensível ao frio, não suporta geadas. Dependendo do diâmetro e altura do vaso, pode atingir 2 metros de altura. Floresce entre o final do inverno e início da primavera. Os frutos surgem quase simultaneamente à florada.

Jabuticabeira - A jabuticabeira, plantada em vaso, não necessita de sol direto, mas é sensível ao frio. Portanto, terraços cobertos são os mais indicados. Atinge em média 2 metros de altura, dependendo do tamanho do vaso. Os frutos começam a amadurecer no final do inverno, prolongando-se até o verão. As regas devem ser diárias no verão, deixando a terra sempre úmida, mas podem diminuir de frequência no inverno.

Limoeiros - Limoeiros podem ser cultivados em vasos desde que em áreas com luz e circulação de ar, eles necessitam de pelo menos seis horas diárias de exposição solar. O limão necessita de muita água para crescer, mas ele não se dá bem com solo encharcado. Dose bem a quantidade de água.

Romãzeira - Para o cultivo em vaso, a mini-romãzeira é mais adequada que a romãzeira. Pede sol constante. Resistente a condições diversas de temperatura e tolerante a podas.

Laranjinhas Kinkan - Não gosta de solo úmido e como as romãs ela precisa que a terra seque entre uma rega e outra. Precisa ser adubada regularmente e precisa de muito sol. As flores aparecem na primavera e no verão, mas os frutos surgem somente no outono. No entanto, ela pode frutificar mais de uma vez por ano.

Amoreira - A amoreira não precisa de sol direto o dia todo, mas pode buscar os raios solares a ponto de seus galhos chegarem a quatro metros de comprimento.   Em lugares fechados, a irrigação deve ser intuitiva, ou seja, quando se percebe que a terra está seca é hora de molhar a planta.

Laranja: A laranjeira requer muito sol, pelo menos seis horas diárias, e duas regas por semana, nas épocas mais secas do ano. Nas épocas de chuva, regue apenas uma vez por semana Reprodução/Árvores Frutíferas.

Pêssego: O pessegueiro, como a maioria das frutíferas, precisa de sol por pelo menos quatro horas diárias. Esta planta não gosta de solos encharcados, mas precisa de regas constantes, cerca de três vezes por semana, principalmente nas épocas de estiagem.

Cereja do Rio Grande: A cerejeira do Rio Grande gosta de bastante sol, pelo menos seis horas diárias. Deve ser plantada em vasos fundos, porque suas raízes são profundas. Esta planta se adapta bem a regiões frias. Sua rega deve ocorrer quando o solo estiver pouco úmido, cerca de duas ou três vezes por semana.

 Acerola: Esta planta gosta de muito sol e não muita água, basta molhar duas vezes por semana, bem fácil de cultivar.

Manga : Por incrível que pareça, as mangueiras, árvores tão imponentes, de folhas e frutos grandes, também podem ser cultivadas em vaso. Elas tem uma boa necessidade de água e luz, mas se adaptam bem aos vasos. Escolha variedades anãs, que produzam mesmo com pequeno porte.

Araçazeiro : Outra frutífera nativa do Brasil, com um sabor do campo, que lembra a goiaba. Escolha preferencialmente variedades anãs, de frutos vermelhos ou amarelos. Rústica e fácil de cuidar.

Maçã: A frutífera favorita nos Estados Unidos e Europa, para plantar em vasos. Lá há disponibilidade de árvores de porte anão, que produzem muito, mesmo bem pequenas. Pode ser uma opção interessante em locais de clima mais temperado a subtropical.

 Figueira: Uma árvore exótica, mas muito bem adaptada. As figueiras também são ótimas para plantar em vasos e obter seus deliciosos frutos. Cuide com as podas, para formar uma árvore de copa limpa e bem arejada, mantendo assim sua saúde e estimulando a produção de frutos.

Goiabeira: Outra nativa muito fácil de cuidar e boa para vasos. E é incrível como o sabor de goiaba arrancada do pé é diferente das goiabas compradas. As compradas sempre me passam a sensação de serem verdes, indigestas e grandes demais. Coma goiaba in natura, ou prepare compotas, goiabada, molhos, etc, com sua própria goiabeira cultivada em vasos. Cuide para que não falte água e fertilizantes.

GRUMIXAMA: Planta da família das Myrtaceae, também conhecida como grumichameira, grumixaba, grumixameira, ibaporoiti. É uma árvore ameaçada de extinção, seus frutos chegam a 2,5 centímetros, negros, amarelos ou vermelhos (conforme a variedade), arredondados mas fortemente comprimidos nos polos, com cálice persistente. Polpa espessa, de cor clara, suculenta e doce, que derrete na boca, lembrando o sabor das mais doces cerejas. Suas folhas espessas, de um verde profundo, aliadas às abundantes flores brancas e à folhagem jovem avermelhada, lhe conferem um aspecto ornamental, aliado a sua característica de árvore frutífera.

Cultivo : Climas tropicais e subtropicais, em solos ricos em matéria orgânica, com capacidade de retenção de umidade. Pode ser cultivada a sol pleno ou meia sombra.

Carambola: O solo bom para a caramboleira é profundo, ou seja vaso fundo, solo areno-argiloso (use 50% de areia grossa e 50% de solo orgânico misturado com composto bem curtido). Mantenha o pH do solo levemente ácido (entre 6 e 6,5) e evite encharcamento.

 As irrigações devem ser feitas de forma moderada, porém sem nunca deixar o solo secar demasiadamente. Após poucos anos do plantio a caramboleira começará a frutificar após o final do inverno, logo é aconselhável enriquecer um pouco o solo com nutrientes para estimular a planta que frutifique de forma mais abundante, faça isto seguindo a risca as instruções do produto que comprar, para que não tenha risco de exagerar na quantidade e prejudicar sua planta.

Mamão: O momeiro deve ser cultivado em locais onde a média da temperatura fica entre 22 a 26°C, em temperaturas abaixo de 15ºC a planta paralisa o crescimento vegetativo, é interessante uma boa exposição solar cerca de pelo menos 4 horas por dia.

          O solo deve ser rico em matéria orgânica , bem drenado e não pode faltar o micronutriente boro para a cultura.  O pH ideal um pouquinho ácido, por volta  dos 5,5 a 6,7.

 Para plantar em vasos aconselhamos um recipiente alto com capacidade para 100 litros de volume de material, e uma adubação controlada para conseguir uma boa colheita, sem o abortamento das folhas.

           

Dicas de Como Cuidar e Cultivar

  Já pensou em cultivar árvores frutíferas em vasos? As plantas adaptam-se bem a esses recipientes e são ótimas opções de jardinagem às pessoas que moram em apartamentos ou espaços pequenos. Cuidar das mini-árvores é literalmente usufruir de um pedaço da natureza. Elas oferecem frutos saborosos como as árvores de tamanho convencional, para cada tipo de árvore que você queira plantar deverá ter os vasos adequados, em superfície e profundidade, para que as raízes cresçam fortes e as árvores produzam as frutas de forma saudável.

  As árvores quando são plantadas no solo não requerem tantos cuidados mas, em vasos elas dependerão totalmente de você.​ Veja como plantar :

 

 

 

 Variedades de Vasos :

  O primeiro passo para o plantio de árvores frutíferas em vaso é a escolha do vaso onde será realizado o plantio. O vaso não deve ser muito pequeno, pois as raízes precisam de espaço para crescerem e assim a árvore desenvolver frutos. O ideal é escolher um vaso que tenha capacidade mínima de 20 Litros chegando até 100 litros dependendo do porte da planta.

  O modelo do vaso pode ser variado, mas as versões bojudas com furos embaixo (escoamento da água) costumam ser as melhores para esse tipo de cultivo. Outro detalhe desse momento é escolher o material do vaso, e a dica aqui é preferencialmente os vasos de cerâmica ou barro, que esquentam menos que o plástico e possuem melhor drenagem.

 

  Montagem do Vaso para plantio:

 

  A segunda etapa para plantar a árvore no vaso é fazer a montagem correta e a preparação da terra para inserir a muda da espécie escolhida. E essa etapa envolve alguns processos:

 

  Coloque uma manta drenante (ou feltro) no fundo do vaso;

 Sobre a manta espalhe uma camada, entre 5 e 10 cm de altura, de pedras, cascalho, argila expandida ou pedaços de telha para permitir a drenagem da água;

Prepare a terra misturando metade de terra orgânica com a outra metade de areia de construção (areia grossa ou saibro), caso queira adubar a terra antes do plantio, é recomendado misturar os adubos e deixar essa terra descansando por 30 dias, assim você não corre o risco de queimar as raízes.

 Preencha o vaso com essa terra misturada até mais ou menos a metade;

► Encaixe a muda da espécie frutífera escolhida no vaso e complete com o restante da terra, igualando a altura do torrão, aperte em volta do torrão para deixá-lo bem firme;
 

Coloque uma camada de folhas secas por cima, para manter a umidade.

► Agora é só regar a planta e iniciar os próximos cuidados para manutenção da espécie. 

 Exposição ao sol

 Como qualquer outra espécie de planta, é necessário que as árvores frutíferas em vaso recebam iluminação direta da luz solar, e neste caso, o ideal é que qualquer tipo tenha essa incidência por no mínimo 6 horas diárias. 

 

 Adubação 

 A Adubação é muito importante para que as frutíferas em vaso cresçam saudáveis e produzam frutos. Ela pode ser executada com o auxílio de diferentes técnicas e produtos, cada um deles adequado a determinado tipo de planta e cultivo. A adubação pode ser feita via foliar e por incorporação ao solo, e em vasos deve ser feita em média a cada 03 meses. 

 Adubos Orgânicos: Existem várias formas de produzí-lo e a partir de diferentes origens, mas o esterco de frango e o bovino produzem bons resultados e são os mais utilizados. O húmus de minhoca e o Bokashi (a base de peixe) também são bons produtos. Todos eles podem ser encontrados em casas de jardinagem. Ressalto que você pode produzir o húmus de minhoca em sua casa (em pequenos espaços) pelo processo de compostagem.

 

   Os adubos orgânicos apresentam efeitos lentos pelo fato de serem necessárias várias reações em sua interação com o meio, reações estas que demoram a ser realizadas pelos micro-organismos presentes no solo. Isto faz com que este tipo de adubo seja ideal para plantas com as quais você não deseja se preocupar com freqüência. A aplicação de adubos foliares (líquidos) também é recomendada ocasionalmente. 

 É importante que a adubação foliar seja feita durante os processos de crescimento da planta (época de crescimento: primavera e verão, florescimento e frutificação) com um produto que possua maior teor de Nitrogênio na sua formulação.

   Na época de produção, a formulação ideal deve ter mais fósforo, potássio e boro em sua composição. A ausência de nutrientes propicia amarelecimento foliar e abortamento de flores e frutos.

 Adubos Minerais ou Sintéticos: Geralmente se apresentam na forma de pedrinhas, de pó ou de liquido. Dependendo da forma de aplicação, são assimilados mais rapidamente, ou menos, pelas plantas. Por serem de absorção rápida, tendem também a perder o efeito em pouco tempo, de forma que é importante administrar um pouco de adubo orgânico de forma conjunta. Comumente encontrados em casas de jardinagem, a embalagem deste tipo de produto vem sempre marcada com 03 números (ex: “04-14-08”, “10-10-10, etc) que informam respectivamente as concentrações de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), sendo a sigla abreviada na embalagem como “NPK”.

 Outra dica é realizar o medição do pH da terra, para que ela não fique nem Ácida e nem Alcalina de mais, o pH ideal é em torno de 7, para corrigir a Acidez da terra utilize calcário de conchas ou calcário dolomítico.

 

Quanto a quantidade a ser aplicada, seja de adubos minerais, sintéticos ou orgânicos?

 

 Não há um valor preciso. Em média, a cada 03 meses você deverá executar nova adubação. Não pense no entanto que colocar mais adubo irá dilatar o tempo necessário a adubação e que isto é melhor para a planta. Se você colocar muito adubo mineral ou sintético (por exemplo), a planta terá o equivalente à uma congestão e pode até morrer. “Quanto adubo deve ser adicionado então?”, você deve estar se perguntando… Bem, isto depende não só do tamanho do vaso como também da frutífera que tem nele plantada e de seu porte. No caso de adubos minerais ou de liberação lenta, guie-se pelas instruções presentes na embalagem do produto. No caso do adubo orgânico, a aplicação é mais fácil: algumas colheres (ou pás) devem ser incorporadas ao solo.

 Um alerta: o adubo à base de “cama de frango” (esterco) é mais forte e pode “queimar” as raízes e ter reflexos nas folhas se aplicado em excesso.

Como aplicar o adubo: Faça-o de preferência ao final da tarde, quando o sol está mais fraco. Ao aplicar a adubação mineral ou sintética, nunca os coloque junto ao caule da planta, pois isto irá “queimar” as raízes e quase que certamente matará a planta. Faça covas rasas próximas a borda do vaso e deposite o adubo, misturando-o então ao solo retirado que deve ser devolvido ao vaso. Para frutíferas, a formulação mais adequada é a NPK 04-14-08. Quanto a adubação orgânica, revolva um pouco a terra superficial do vaso e misture a ela o adubo. Após a aplicação do adubo, seja ele mineral, sintético ou orgânico, efetue a rega. Se a chuva em boa quantidade for iminente, então não regue e deixe que a chuva faça o trabalho. Para saber mais a respeito da adubação, pesquise nos sites da Emater, Scielo, e outros. Você encontrará uma infinidade de artigos mais detalhados do que este post e que poderão esclarecer muitas de suas dúvidas. Bom cultivo e boa colheita!

  Irrigação

  A irrigação das árvores frutíferas em vaso deve ser feita regularmente, e a quantidade de regas pode variar de acordo com cada espécie. Para não errar, a dica é testar com o dedo e verificando se o solo está seco ou não. As regas devem ocorrer quando o solo estiver entre úmido e seco, mas evitando que a terra fique sempre encharcada e nem que seque demais. 

 

 Pragas e doenças

  Não é raro que árvores frutíferas sofram com pragas e doenças, e por isso é importante observar sempre a espécie e ficar atento a qualquer modificação. A alteração de cores das folhas, manchas ou até insetos presentes pode ser um sinal de que a planta precisa de cuidados, e neste caso é preciso identificar o que a planta está passando para determinar as mudanças e tratamentos necessários.

 

  Agora que você já aprendeu tudo sobre árvores frutíferas em vaso, é hora de escolher uma espécie com sua fruta favorita, preparar o plantio e se arriscar nesse projeto de jardinagem. Veja mais em Pragas & Doenças.

Frutíferas em Vasos