Tarumã do Cerrado
Vitex megapotamica

Cultivando

 Dicas para cultivo: É uma árvore de grande rusticidade, adaptando-se a solos ácidos de terrenos vermelhos ou arenosos que drenem bem a água, embora a planta tolere alguma umidade, pois habita as matas de galeria onde a altitude varia de 200 a 1.600 m acima do nível do mar. Aprecia solos profundos, com fertilidade natural, com pH em torno de 5,0 a 5,5 e climas muito variados, suportando temperaturas mínimas de até - 3 graus no inverno e máximas de até 44 graus no verão; com índice de chuvas variando desde 800 a 2.200 mm anuais.

 

 

 Mudas: As sementes são cilíndricas e ortodoxas (com casca dura e conservam o poder germinativo por mais de 1 ano). Podem ser plantadas em canteiros  (para posterior transplante quando as plântulas estiverem com 10 cm) ou colocando 2 sementes diretamente em embalagens individuais contendo substrato feito de 40% de terra vermelha, 20% de areia de cio e 40% de matéria orgânica curtida. Deixar os saquinhos em ambiente com aproximadamente 30% de sombra; a taxa de germinação é inferior a 80% e ocorre em 40 a 80 dias, dependendo das condições climáticas. O desenvolvimento das plantas é rápido atingindo 40 cm com 7 a 8 meses após a germinação. A multiplicação vegetativa por pedaços da raiz ou estacas tratadas com hormônio enraizador é possível; diminuindo o tempo para frutificação para 2 anos, enquanto que mudas oriundas de sementes só frutificam a partir do 5º

 

 Plantando: Pode ser plantada a pleno sol como em bosques com árvores grandes bem espaçadas. Recomendo o espaçamento de 3 x 3 m para reflorestamento ou espaçamento de 6 x 6 m para pomar doméstico. Faça cova com 50 cm de altura, largura e profundidade e adicione aos 30 cm de terra iniciais 500 g de calcário, 1 kg de cinzas e 7 a 8 pás de matéria orgânica, deixando curtir tudo por 2 meses. A melhor época de plantio vai de abril a setembro. Irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada.

 

 Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco ou os voltados para baixo ou os que se cruzarem com outros. Adubar nos meses de setembro ou outubro com composto orgânico, pode ser 4 a 6 pás de cama de frango bem curtida + 30 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 3ª ano.

 

 Usos: Frutifica nos meses de Fevereiro a Abril. Os frutos são comestíveis e adocicados com um sabor inigualável deixando a boca com o gosto característico e apetitoso, deixando a vontade de comer mais. Os frutos servem para fazer ótimo vinho, assim como o nome popular e cientifico indicam; também servem para fabricação de licor.  Estes podem ser empregados na fabricação de doces e geléias utilizadas em coberturas de bolos, recheios de chocolates e outras iguarias. Quando despolpados e batidos no liquidificador com laranja ou tangerina, produzem um suco refrescante e delicioso.

 

 As propriedades nutricionais ainda não foram pesquisadas e descritas. A árvore do Tarumã é bastante ornamental e podem ser utilizadas em paisagismo de praças, jardins públicos e avenidas. Por ser indiferente as características do solo, servem muito bem para o reflorestamento de áreas degradadas e de reflorestamentos mistos para preservação permanente e alimentação de diversas espécies de animais, principalmente macacos, maritacas e outros psitacídeos que são os principais dispersores das sementes.

Tarumã do Cerrado
Vitex megapotamica

Tarumã do Cerrado, um dos melhores depurativos do sangue.

Nomes Populares:

 Tarumã, azeitona-do-mato, tapinhoã, tarumã-preto, tarumã-do-mato, tarumã-azeitona

 

 

 TARUMÃ, CINCO-FOLHAS – É um dos melhores depurativos do sangue, diurético, sangue grosso, sangue agitado, crianças que babam (chá), combate pressão alta; a raiz é tônica, febrífuga, contra inflamações da bexiga e do útero de diversas doenças da pele.  As frutas são comestíveis e para as mesmas doenças.

Descrição Morfológica:

 Árvore de 10 a 25 m de altura, com tronco tortuoso, geralmente um pouco torcido, de casca cinza-escura, densa e levemente fissurada, descamante em placas longitudinais. Suas folhas são compostas, opostas, digitadas com 3-7 folíolos cartáceos, elíptico-ovalados de bordo liso e nervuras salientes na face inferior, de 5-9 cm de comprimento por até 4 cm de largura.

 Flores roxo-azuladas de cerca de 1,5 cm de comprimento por 1 cm de diâmetro, dispostas em inflorescências axilares. Os frutos são drupas globosas de até 2 cm de comprimento, negro-violáceas, com polpa suculenta, de sabor adocicado. A floração ocorre de outubro a dezembro e os frutos amadurem de janeiro a março.

 

Características Ecológicas:

  Decídua, heliófila e indiferente às condições físicas do solo. É particularmente comum nas regiões úmidas próximas aos rios do planalto. Se regenera em áreas abertas, bordas e clareiras da floresta. Suas sementes são disseminadas principalmente por animais.

 

Ocorrência Natural:

 De Minas Gerais até Mato grosso do Sul e o Rio Grande do Sul. No Paraná ocorre na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Semidecidual, sendo particularmente comum nas formações aluviais.

Usos:

 É bastante ornamental, podendo ser aproveitada para a arborização urbana. As flores são melíferas e os frutos comestíveis, além de serem consumidos por macacos, pássaros e outros animais. A madeira é empregada em construção civil, dormentes, moirões, postes, esteios, pontes, tonéis, etc. Na medicina popular, o chá das folhas é usado como depurativo sanguíneo e no tratamento de hemorroidas. O chá da casca é usado no tratamento de reumatismo e dermatoses.

Uso popular e medicinal:

 

 Usado medicinalmente nas formas de infuso, decocto, tintura ou extrato fluido. Tem ação depurativo e antirreumático. Em sua constituição química são encontrados óleos essenciais sesquiterpenos (δ-cadineno e β-cariofileno), óleos essenciais monoterpenos (α-pineno, β-pineno) e flavonoides (nos frutos e nas folhas).

 

 Em seus galhos são encontradas substâncias estimulantes da síntese proteica que já é empregada em fórmulas comercializadas. Galhos, folhas e frutos são tradicionalmente utilizados como emenagogo  e diuréticos contra pedras nos rins. Contém ainda substâncias com potente ação anti-inflamatória e antioxidante .

 

 Dosagem indicada:

 

 Depurativo, antirreumático. Usar 3 folíolos maiores em 300 ml de água. Tomar 1 xícara, 2 a 3 vezes ao dia. O efeito in vitro do extrato rico em flavonoides da planta atuou contra o vírus de herpes simples tipo l resistente ao aciclovir.