Pragas & Doenças

► Mariposa Oriental

Grafolita (Grapholita molesta)

Lagarta: As lagartas possuem coloração branco-acinzentada e cabeça preta, são muito ativas, caminham pela planta à procura de ramos ou frutos, onde, ao penetrar, iniciam a construção de galerias. As lagartas podem medir até 14 mm e adquirem coloração rosada quando bem desenvolvidas. O período larval dura em média de 10 (verão) a 30 dias (outono).

Pupa: Ao fim da fase larval, a lagarta faz um orifício de saída por ramos ou frutos e , com um fio de seda, atinge o local onde passará a pupa. A pupa é protegida por um casulo de teia. Esse período atinge de 7 a 14 dias no verão e de 17 a 51 dias no inverno.

Adulto: O adulto é um microlepidóptero de cerca de 12 mm de envergadura por 7 mm de comprimento apresentando coloração cinza e manchas escuras nas asas anteriores. Possui atividades de migração, alimentação, acasalamento e postura entre os horários de 17 às 22 horas.

A fêmea vive de 10 a 15 dias e colocando cerca de 40 a 80 ovos. No inverno, entra em diapausa como pupa. O número de gerações anuais é de 6 a 8, e sobre o pessegueiro provavelmente, desenvolvem-se de 5 a 6 gerações/safra.

Danos: Os prejuízos são causados pelas lagartas, que atacam os ponteiros, ramos e frutos. As lagartas procuram os tecidos mais tenros para penetrar, iniciando, nessa fase, a construção de galerias no interior dos ramos, provocando seu murchamento e, conseqüente, secamento. Os danos tornam os frutos impróprios para a comercialização.
 

 As lagartas atacam os ponteiros e frutos das fruteiras de clima temperado. Nos ponteiros se alimentam dos primórdios foliares e depois penetram na medula, abrindo uma galeria de 2 a 10 cm de extensão. O ponteiro atacado seca e fica enegrecido, podendo haver exsudação de goma pelo orifício de entrada da lagarta (figuras ao lado e abaixo). É comum as lagartas abandonarem o ponteiro atacado para se instalar em outros em busca de alimento. Uma única lagarta pode atacar de 3 a 7 ponteiros da mesma planta, geralmente próximos um do outro.

 Os danos nos ponteiros são mais prejudiciais em viveiros de mudas e em pomares jovens em formação, pois há uma tendência natural das plantas atacadas emitirem brotações laterais, prejudicando a "arquitetura" e crescimento das mesmas. Em macieira o ataque em ponteiros provenientes da poda verde impede a formação das gemas terminais e conseqüentemente perde-se a floração destes ramos.

 A mariposa oriental ou grafolita é uma das principais pragas da cultura do pessegueiro, provocando perdas de produção da ordem de 3 a 5%, principalmente em cultivares tardias.

Estragos causados pelaMariposa Oriental 

  Nos frutos As lagartas penetram preferencialmente pela região do pedúnculo ou do cálice e vão se alimentar da polpa próximo à região carpelar ou caroço (figura abaixo). No ponto de penetração das lagartas pode-se observar a deposição de excrementos envoltos em fios de teia e eventualmente aderidos à goma exudada (figura ao lado).

 

  Frutos atacados apresentam galerias e tornam-se imprestáveis para comercialização. Quando muito pequenos os frutos atacados podem murchar e cair prematuramente.  O maior ataque aos frutos de pêssego e ameixa ocorre no período compreendido entre o endurecimento do caroço e a pré-maturação, ou seja, de 5 a 6 semanas após a plena floração até 15 a 20 dias antes da colheita.

 

  Na prática, frutos de pessegueiro atingem em torno de 2cm de diâmetro após o endurecimento do caroço. Em ameixa este tamanho varia bastante em função da cultivar, ficando por volta de 1,5cm de diâmetro.

Controle: Fazer a colheita dos frutos atacados e queimá-los.

 Para o controle químico, deve-se fazer o monitoramento populacional dos insetos, através do uso de armadilha contendo feromônio sexual sintético da fêmea. O controle deve ser executado quando o nível de controle de dano econômico seja atingido, com captura de 30 mariposas por armadilha por semana. Realizar pulverizações com inseticidas específicos recomendados para cada cultura.

 Culturas Afetadas: Ameixa, Maçã, Marmelo, Nectarina, Nespera, Pêra, Pêssego, Todas, Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Sinônimos: Cydia molesta e Laspeyresia molesta

 Trata-se de uma praga comumente encontrada nos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul. O adulto é um microlepidóptero de coloração cinza e distintas manchas escuras nas asas anteriores. É um inseto crespucular com atividades de migração, alimentação, acasalamento e postura no horário das 17 às 22 horas.

 

 Tem ocorrência nas culturas de ameixa, damasco, maçã, marmelo, nêspera, pêra e pêssego. Possui especial importância econômica e maior preferência pela cultura do pêssego.

Ovo: Os ovos são muito pequenos, arredondados e de cor branco-acinzentada, difíceis de serem encontrados nas plantas. São depositados na face inferior das folhas novas, de brotações próximas às axilas, nos ramos novos e também nos frutos. A fase de ovo tem duração de 3 a 4 dias.